• Diminuir tamanho do texto
  • Tamanho original do texto
  • Aumentar tamanho do texto
  • Ativar auto contraste
Selecione uma tarefa

Início do conteúdo

06/07/2017

INI capacita profissionais de saúde em método inovador para tratamento da leishmaniose cutânea


Antonio Fuchs

 

 

 

 

 

 

 

A convite do Ministério da Saúde, o pesquisador do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI), Armando Schubach, e a médica dermatologista e mestre em Pesquisa Clínica pelo INI, Maria Cristina Duque, estiveram, no mês de junho, no município de Ibatiba, no Espírito Santo, capacitando 35 profissionais, entre médicos e enfermeiros, no tratamento intralesional da Leishmaniose Tegumentar. Essa nova metodologia, desenvolvida no INI ao longo de 30 anos, vem sendo adotada agora pelo Ministério e consiste na injeção, em menores doses, do antimoniato de meglumina - medicação usada para tratar a doença -, de forma subcutânea ao redor das úlceras.

A Leishmaniose Tegumentar vem ocorrendo como um surto em Ibatiba. Somente em 2017, 27 novos casos da doença surgiram na cidade, que tem cerca de 25 mil habitantes, segundo censo 2014 do IBGE. “A maior parte dos pacientes está acima de 50 anos, cuja indicação é para o tratamento com a anfotericina B lipossomal. Só que essa medicação é feita na veia da pessoa e requer uma monitoração internado ou em um Hospital-dia (regime de assistência intermediário entre a internação e o atendimento ambulatorial. Para a realização de procedimentos clínicos, cirúrgicos, diagnósticos e terapêuticos, o Hospital-dia é indicado quando a permanência do paciente na unidade é requerida por um período máximo de 12 horas), por exemplo, e para um município pequeno acaba não sendo uma solução. Então, esse treinamento serviu para apresentarmos a nova técnica intralesional que desenvolvemos e foi aplicada em alguns pacientes previamente selecionados e convidados a participar do treinamento. Apenas em duas pessoas, com lesões disseminadas em diferentes partes do corpo, nós resolvemos utilizar a anfotericina, pois se beneficiariam mais com um tratamento sistêmico”, informou Armando Schubach.

“Essa capacitação do Ministério da Saúde com especialistas em leishmaniose vai fazer com que nossos pacientes não sejam mais encaminhados para a unidade de referência na capital, Vitória, pois permite que todos os médicos e enfermeiros de nossa cidade estejam aptos a aplicar essa nova forma de tratamento”, destacou Nilcilaine Hubner, secretária de Saúde local.

Desde 2016, três treinamentos nessa técnica já foram coordenados pelo pesquisador Armando Schubach. O primeiro ocorreu no próprio Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas, em novembro de 2016, para profissionais indicados pelo próprio Ministério da Saúde. O segundo foi realizado no final do mês de maio de 2017 e partiu de uma demanda da Secretaria Estadual de Saúde de Mato Grosso, para profissionais lotados em Cuiabá e municípios próximos. A terceira, em Ibatiba (ES), foi oficialmente a primeira demanda do Ministério da Saúde para a equipe do INI no tratamento intralesional com antimoniato de meglumina.

“A perspectiva agora é de fazermos mais seis capacitações até o final do ano para todos os estados da região Norte do país, através da demanda do próprio Ministério da Saúde. Estamos em fase de organização dessa agenda para iniciar essa nova fase”, ressaltou Armando.

Tratamento é incorporado no manual do Ministério da Saúde

O trabalho, iniciado nos anos 80 pelo dermatologista do Instituto, Manoel Paes de Oliveira Neto, vem sendo conduzido pela equipe do Laboratório de Pesquisa Clínica e Vigilância em Leishmanioses (LaPClinVigiLeish), sob a coordenação do pesquisador Armando Schubach. A técnica está sendo adotada, aos poucos, pelo sistema de saúde brasileiro e consta no novo Manual de Leishmaniose Tegumentar Americana do Ministério da Saúde. O novo tratamento tem como maior benefício a maior segurança para a saúde do paciente, pois o antimoniato de meglumina pode ter efeitos tóxicos acumulativos. Ao diminuir a carga de medicamento, resultando em menores índices de toxidade e reações adversas aos pacientes, além de uma rotina de tratamento mais leve. “Os pacientes podem ser tratados com até 10 vezes menos quantidade do medicamento. No INI nós temos toda a expertise com esse tipo de tratamento”, destacou o pesquisador.

A Leishmaniose Tegumentar é uma doença provocada por protozoários flagelados do gênero Leishmania, da família Trypanosomatidae, que se caracteriza por apresentar úlceras indolores na pele ou mucosas do indivíduo afetado. O tratamento preconizado originalmente consiste na aplicação, em grandes quantidades, do medicamento antimoniato de meglumina por via intramuscular ou intravenosa.

 

 

Voltar ao topoVoltar